Falaremos sobre Gestão de Projetos, Microsoft EPM, Sistemas de Informações Gerências e coisas positivas

Arquivo para a categoria ‘TI-Mercado’

Semana Webcast #ProjectWeek

Ola pesssoal,

Essas semana vai ter a Semana de Project e EPM no Microsoft Technet Brasil!!!

image

Abaixo a agenda pré-confirmada dos Webcasts que serão apresentados:

 21/03Apresentando o Microsoft Project 2010
Neste webcast será apresentada a ferramenta de Gerenciamento de Projetos mais utilizada no mundo, o Microsoft Project Professional. Será mostrado como o software apoia o planejamento e controle dos projetos, abordando desde os primeiros passos e conceitos até os novos recursos da versão 2010 e certificações disponíveis.
Palestrante: Paulo Alves Jr.
Moderador: Eduardo Freire

22/03 Utilizando o Microsoft Project 2010 – Caso prático
Neste webcast será apresentado, passo a passo, como o Microsoft Project Professional pode ajudar no planejamento de um projeto simples, desde a definição das atividades, passando pelo sequenciamento das atividades, alocação de recursos, definição do caminho crítico e salvamento de linha de base.
Palestrante: Paulo Alves Jr.
Moderador: Eduardo Freire

23/03Apresentando a solução Microsoft Enterprise Project Management (EPM) 2010
Nessa palestra iremos demonstrar como o uso do Microsoft EPM ajudará na Gestão de Projetos, Programas e Porfolio. Apresentando novidades, como funciona, cenários de utilização, aplicando o conceito de Sistemas de Informação em Gerenciamento de Projetos.
Palestrantes: Eduardo Freire e Allan Rocha
Moderador: Paulo Alves Jr.

24/03Desenvolvendo para Project e Project Server
Nesse webcast será apresentado a plataforma de desenvolvimento do Microsoft Project e Microsoft Project Server.
Palestrante: André Xavier
Moderador: Paulo Alves Jr.

25/03Business Inteligence e Workflow no EPM 2010

Esse webcast tem como objetivo abordar 2 temas:
1) Apresentar o que há de mais lindo e empolgante na Solução EPM 2010*, as magnificas interfaces de BI (Business Intelligence) que o SharePoint 2010 nos proporciona, porém totalmente voltadas para o Microsoft Project Server 2010. Um passo a passo de como se conectar as fontes de dados corretas do Project Server 2010, como criar relatórios interativos rapidamente, como publicá-los em menos de 1 segundo no seu servidor e compartilhá-los com toda organização instantaneamente! Isso tudo SEM NENHUMA LINHA DE CÓDIGO!!!

2) Apresentar a nova funcionalidade do Microsoft Project Server 2010 de suportar workflows criados no Visual Studio 2010. Utilizando apenas os componentes nativos disponibilizados pela Microsoft. Mostrar como o workflow se comporta na ferramenta e quais suas vantagens na organização e aderência da sua metodologia.
Solução EPM 2010*: Microsoft SharePoint 2010 + Microsoft Project Server 2010 + Microsoft Project Professional 2010
Palestrante:
Allan Christian Rocha
Moderador: Paulo Alves Jr.

 

Agradecimento especial para:

Terei o prazer de apresentar com o amigo Allan Rocha, MVP em Project, além de ser uma figura. Aguardo todos lá.

OBS: Baixe gratis o Office Live Meeting para poder assistir http://bit.ly/9hD2NQ

Att,

@eduardofreire

Novo Projeto 2011 – Articulista Site TI Especialista

Ola Pessoal,

Esse semana fui surpreendido com e-mail do Augusto Vespermann (Editor/Administrador) do site TI Especilistas ( http://www.tiespecialistas.com.br/) convidando para ser articulista do site.  Meu foco será o mesmo: Gestao de Projetos, bem como Sistemas de Informacoes Gerenciais/Ferramentas como MS Project, Microsoft EPM e solucoes livres. Alem de Governaca de TI e Gestao dos Servicos de TI.

Seguem alguns números do projeto:
– Grupo no LinkedIn com aproximadamente 7.700 membros;
– Média de 11.00 visitantes no portal ao mês;
– Cerca de 23.000 leituras de artigos ao mês;
– Mais de 100 articulistas de diversos países;
– 280 artigos publicados em 5 meses de existência

Caso queiram ingressar na comunidade basta ter um cadastro no site www.LinkedIn.com e filiar-se ao grupo TI Especialistas Brasil .

Mas um projeto da comunidade para comunidade e um canal de interação entre as pessoas. Esse semana devo esta publicando meu primeiro artigo. A meta inicial será 02 artigos por mês. Caos alguem queria sugerir algo, estou diponivel.
Abraços a todos.

@eduardofreire

Guia definitivo do Openproj X Microsoft Project – Foco em Gestão de Projetos

Olá Pessoal,

Queria escrever esse post há algum tempo, mas foi motivado pelo amigo @AndreGiandon e máster @finocc. Ele visa estabelecer uma relação da ferramenta da Serana OpenProj e Microsoft Project 2010. Focaremos em funcionalidades que o OpenProj possui e que existem no Microsoft Project 2010 e que para maioria nos profissionais vai ser bem útil. Podem achar estranho estarem lendo isso de profissional que trabalha e tem certificação na plataforma de Gestão de Projetos da Microsoft.  Mas como profissional desce seguimento tenho que utilizar-me dos preceitos éticos, fundamentais em qualquer situação, além do meu foco ser Gestão de Projeto e SIGP suportando isso e não TI.  Vamos deixar de conversa e vamos ao conteúdo.

Alinhando expectativas sobre o tema:

Hoje o OpenProj com ferramenta stand-alone (rodando no seu pc) e DotProject(Servidor Web), são as principais ferramentas open source.

  • OpenProj, foco na construção das tarefas, duração, vinculação, cronograma e Gráfico de Gantt. Podem baixar no link:  http://urele.com/ece
  • dotProject compartilhamento de arquivos e informações de comunicação com todo o time de projeto, tarefas, durações e vinculação também podem ser feitas. Podem baixar no http://urele.com/JKd.

Iniciando o OpenProj

Em minha opinião a melhor funcionalidade e até mesmo melhor do que o Microsoft Project, nesse ponto. Quanto inicio o OpenProj, ele abriu uma janela semelhante essa abaixo, onde ele pergunta:

  • Nome do Projeto
  • Quem é o Gerente de Projetos
  • Forma de planejamento do seu projeto, com data inicial definida (marque planejamento adiantado) e data de termino definida (desmarque planejamento adiantado).
  • E um campo de Notas, onde você pode colocar Objetivos do projetos, requisitos, declaração do escopo, qualquer coisa. Mas que ajude a identificar o projeto.

Tela principal

Visão Geral

Depois vem a visão Geral dele. Bem parecido com Microsoft Project 2003, bem diferente da interface do Project 2010. Isso é positivo para instituições que estão impondo o uso de SL, principalmente governos. Pois a aderência vai ser grande a rejeição mínima. Falo isso para a GRANDE maioria dos usuários.

 

Utilização Prática

Baseado nessa utilização mínima dos usuários da solução Microsoft Project, eu elenquei alguns tópicos que considero básicos devido à falta de maturidade em GP ou por conta dos profissionais e/ou instituições que estão tendo os primeiros contatos sobre o tema Gestão de Projetos. Digo isso porque foram as situações que já trabalhei com projeto de Governo, um deles até premiado. http://urele.com/dlf.

1. Criando uma lista de tarefas 

Parte fundamental e básica de qualquer software para GP. Como duração e segue o mesmo conceito. Inclusive quando configuramos o calendário. Bem útil para a maioria dos projetos, mas pouco indicado para projeto mais refinados(exceção), para maioria absoluta atende.

2. Atribuindo recursos;

No mesmo conceito do Microsoft Project com planilha de recursos. Mas com detalhe bem importante hoje nos meus projetos, não existe o tipo de recurso CUSTO, somente Material e Trabalho. Outro ponto importante é considerar os custos para acompanhamento na execução. No planejamento é tranquilo, aí o problema é engine(tecnológico) no software, às vezes dar uns probleminhas. Talvez seja o “CALO” no Openproj.

3. Associando recursos às tarefas;

Seguindo o mesmo conceito de utilização, com a planilha de recursos, alocação, utilização, histograma e uso dos recursos. E teve algumas melhorias com uso em pico.

4. Estabelecendo vinculação entre as tarefas;

Independente do software é importante vincular tarefas, pois, o OpenProj/Project ajustará automaticamente sua agenda quando qualquer parte do plano for alterada. Existem quatro tipos de dependências que podem ser associados as as tarefas: Término-a-Início, Início-a-Início, Término-a-Término e Início-a-Término e 07 tipos de restrições (ou contenção com ele chama)

5. Compartilhando informações do projeto com outros programas;

Aqui vem a parte curiosa, mas que comprova o quanto a ferramenta Microsoft Project está consolidada e é madura no mercado. O padrão de compartilhamento com Microsoft Project e com DotProject é um arquivo xml do Microsoft Project. O cenário positivo disso é que ambiente onde gerencio meu projetos através de arquivos separados e individuais dos projetos. Posso comprar um licença do Microsoft Project para quem precisa e UTILIZA outras funcionalidades avançadas e posso disponibilizar para os membros do projeto os arquivos do Microsoft Project, pois o OpenProj lê arquivos da versão do Project 2007 e anterior. Na versão Project 2010 não conseguir ler nenhum até agora. Estou dando uma consultoria no Governo e vou fazer testes dessa forma, eu usando o Project 2010 e membros OpenProj, vou informando a todos como ficou o meu uso em post posteriores.

 

6. Imprimindo informação do projeto

Como TODO software nunca tem o Relatório que usuários dele querem dever ser a síndrome de SIG. Mas indico fazer duas coisas antes de imprimir:

  • Definir o modo de exibição que melhor vá lhe atender;
  • O zoom de visualização impactará diretamente na impressão.

Vocês podem ver um exemplo abaixo outras duas configurações possíveis.

 

 7. Desenvolvendo EAP

O desenvolvimento da EAP é mesmo do Microsoft Project, EAP Analítica. Mas se você gosta da EAP hierárquica, dar olha nessa visualização abaixo:

 

Antes de fechar acho que podemos elencar esses pontos chaves:

  • Aspectos essenciais de tarefas em um projeto incluem sua duração e a ordem em que elas ocorrem;
  • Os vínculos entre as tarefas (dependências) causam o início ou fim de uma tarefa que afeta o início ou o fim de outras tarefas. A dependência mais comum entre tarefas é a Termino-a-Início, isto é, uma tarefa termina para que a outra possa iniciar;
  • No OpenProj, assim como no MS Project, as fases e os pacotes de trabalho são representados pela tarefa-resumo;
  •  O quadro de informações sobre o projeto é uma excelente forma de visualizar valores chave do plano de projeto, como sua data final e sua duração.

Quadro Comparativo.

Como o objetivo é funcionalidade e não dizer que é o “melhor”. Fiz o quadro resumo que apresentei numa apresentação para uma Diretora Organizacional (usuário do Project) de uma grande empresa da indústria alimentícia e sua equipe de GP/PMO (utilizavam parte do EPM 2007) e equipe de TI (queria ver opções livres).

  

Bem espero ter contribuído e atendido as expectativas do amigo @AndreGiandon e outras pessoas, pois como acabei não podendo postar ontem, acabei escrevendo focando numa abordagem que queria e não um simples comparativo. Mas intenção do tema do post é “provocar”, afinal quem sou eu para escrever algo definitvo sobre seu trabalho. E por favor, comentem se tiverem gostado e se não tiverem gostado.

Att,

@eduardofreire

É Professor? Quer acesso a Softwares Microsoft e conteúdo? Microsoft Faculty Connection

Olá pessoal,

Alguns dias atrás meu parceiro (@GIRALDELLI) perguntou-me sobre quais possibilidades de usar aplicativos Microsoft, pois leciona, assim como eu. Portanto queria demostrar alguns dos benefícios que a Microsoft disponibiliza (ou dar, pois é FREE) aos professores que tem algum tipo de vinculação acadêmica com alguma Instituição de Ensino Superior. Não deixe também de conhecer o Portal Faculty Connection, de relacionamento com a Comunidade Docente, onde podem ser encontrados:

  • Recursos didáticos que podem ser empregados para complementação de material em sala de aula;
  • Newsletter, com novidades quanto a novos conteúdos didáticos, software e eventos, como congressos e simpósios;
  • Chamadas de projetos para participação em iniciativas patrocinadas pela Microsoft Research (RFPs);
  • Software Microsoft gratuito para uso em ensino e pesquisa. (Dentro nossos amigos Microsoft Project 2007/2010 e Viso 2007/2010). Não tem limite de utilização com relação à versão comercial.

Para se cadastrar no portal e ter acesso a esse conteúdo, contate nosso Suporte Acadêmico, através do telefone 0800-888-70-90 ou então por e-mail, escrevendo para suporteacademico@microsoft.com.br  Ou podem procurar os MSP-Microsoft Student Partners ( @mspChohfi @FelipePimentel @jensenclayton)

O Site do Programa no Brasil é esse:  http://www.microsoft.com/education/facultyconnection/br/Default.aspx?c1=pt-br&c2=BR

Tem o Site de Treinamento e Conteúdo do Portal Technet, com conteúdo (vídeos e ppts) sobre os temas:

  • Fundamentos
  • Engenharia de Software
  • Banco de Dados
  • Segurança
  • Sistemas Operacionais

http://www.technetbrasil.com.br/experience/facultyconnection/Home.aspx

Além disso, se sua Instituição tiver algum tipo de parceria com a Microsoft, como MSDN AA (Microsoft Developer Network Academic Allaince) ou Microsoft IT Academy. Todos os seus alunos e professores tem direito a cópias de todos os softwares com exceção do Microsoft Office para uso acadêmico. Então quer estudar EPM e não sabe como, está dado a dica. #join

Bom proveito!

@eduardofreire

Microsoft busca consolidar presença na virtualização

Ola pessoal,
 
Uma das 10 tecnologias para 2008, sera a virtualizaçao em ambiente Hypervision e essa é uma das novidades do Windows Server 2008.:)
Conheci isso a 01 ano, quando fui ao CIO Summer Meenting em Fortaleza, como e Gerente de Infra da Itautec Solutions, braço de Serviços de TI da Itautec. E também esse será um de meus focos de estudo esse ano.
 
ComputerWorld

Estratégia inclui a compra da Calista Technologies, além de uma ampliação do acordo com a Citrix e de novas regras para licenciamento da companhia de Bill Gates.

A Microsoft revelou planos de se tornar uma competidora importante no mercado de software de virtualização, caminhando para fazer frente às líderes estabelecidos nesse segmento, como a VMware.

Os planos anunciados na segunda-feira (21/01) incluem a aquisição de uma start-up, a Calista Technologies, cuja tecnologia gráfica foi desenhada para melhorar a experiência do usuário final no acesso ao desktop com Windows através de um servidor remoto, segundo a Microsoft.

A companhia também liberou alguns dos termos de seu processo de licenciamento relativo à virtualização. Os consumidores que usam as edições do Vista Home Basic e Home Premium poderão rodar o sistema operacional em um ambiente virtual, explicou a Microsoft. Ela também anunciou novos preços de licenciamento para usuários corporativos.

Além disso, a Microsoft estendeu sua parceria com a Citrix Systems para fazer com que o software de virtualização Xen dessa companhia trabalhe melhor com os sistemas para desktop e servidor da Microsoft, informaram as empresas.

A virtualização separa o software do hardware dentro de um computador, permitindo que a máquina seja usada de forma mais flexível. A tecnologia permite que vários sistemas operacionais rodem no mesmo computador, por exemplo, em aplicações diferentes, e permite que aplicações possam ser trocadas entre computadores mais facilmente para ampliar o uso do hardware.

Apesar de disponível há décadas, só recentemente a virtualização ganhou popularidade, com a adaptação feita pela VMware para máquinas x86. A Microsoft ainda não é um nome de destaque na virtualização, mas pretende mudar esse panorama. Recentemente, a Apple lançou a virtualização em seus desktops Macintosh para que os usuários possam rodar Mac OS e Windows na mesma máquina.

A estratégia da Microsoft será oferecer uma ampla gama de produtos de virtualização, incluindo softwares para gerenciamento de desktops e  servidores "a preços competitivos", afirmou a empresa.

Para as companhias que assinam o pacote de manutenção Software Assurance, os planos incluem o direito de uma assinatura anual de 23 dólares para o software de virtualização de desktop, informou a empresa.

URL: http://computerworld.uol.com.br/mercado/2008/01/22/microsoft-afia-armas-para-marcar-presenca-na-virtualizacao/

Eduardo Freire
Administrador/Project Manager
MBA em Gerencia de Projetos – FGV (Cursando)
Microsoft Student Partner | MSP
Membro do User Group OfficeCE

IBM critica, mas suporta formato Open XML da Microsoft

Ola Pessoal,
 
Voltamos definifitivamente a atividades de blogar.Estou lendo meu e-mail e achei um reporatgem interessante sobre OpenXML, o formato de padrão aberto desenvolvido pela Microsoft. Vou tentar postar um artigo sobre o assunto. Como também sobre IT Manager, System Center, MOF, ITIL, Project e os lançamentos 2008.

COMPUTERWORLD

Apesar dos constantes esforços da IBM para derrubar o padrão utilizado pela Microsoft em seu pacote de aplicativos Office, quatro de seus produtos suportarão a linguagem.

Ninguém investiu mais em críticas ao formato de documento Open XML, da Microsoft, do que a IBM. Então por que a empresa agora suportaria o padrão em uma série de seus produtos?

De acordo com a documentação técnica publicada no site da Big Blue, a companhia já suporta o Open XML, formato padrão para os documentos do Office 2007, da Microsoft, em pelo menos quatro de seus programas.

No entanto, os usuários do Microsoft Office interessados em testar ou mudar para o Lotus Symphony, o maior concorrente da IBM para o Office, serão desmotivados pelo fato de que a IBM deu sinais que suportará apenas os documentos criados em Office 2003 ou versões anteriores.

A IBM não retornou a solicitação de entrevista do Computerworld EUA. A empresa realiza esta semana a sua conferência anual Lotusphere, em Orlando (EUA).

Entre os softwares que suportam o Open XML estão a plataforma de colaboração Lotus Quickr, seu portal Websphere para mainframes z/OS, o DB2 Content Manager versão 8.4 e o DB2 9, seu banco de dados exclusivamente XML.

Com exceção do DB2 9 pureXML, capaz de consumir e alterar arquivos Open XML, o suporte dos demais produtos da IBM limita-se à capacidade de importar dados de arquivos Open XML.

Quando se considera o esforço da IBM contra o Open XML, adotado como parte de sua ambiciosa luta para ganhar mercado da Microsoft na área de aplicativos para escritório, qualquer suporte dado pela Big Blue à linguagem é surpreendente.

Nos últimos anos, a companhia fez lobby junto a políticos nos EUA e internacionalmente para criar leis em favor do uso de software de código aberto ou aplicativos que estejam de acordo com os padrões internacionais open source, como o Formato OpenDocument (ODF) para Aplicativos Office, usado nativamente no Lotus Symphony.

A IBM também brigou contra a ratificação do Open XML pela ISO. Seus funcionários e executivos estavam entre os blogueiros mais dedicados a impedir a adoção do possível padrão.

“Eu acredito que haja muitas razões para que a especificação XML dos próprios produtos da Office Microsoft, OOXML, vá fracassar no mercado”, escreveu o vice-presidente de padrões da IBM, Bob Sutor, em seu blog, cerca de um ano atrás.

Em um post intitulado “Por que o OOXML fracassará”, Sutor disse ainda que muitas pessoas, incluindo ele próprio, descreveu como o XML é grande, mas não bom. Além disso, diz ele, o padrão não pode ser facilmente adotado por ferramentas padrão XML, restritas essencialmente aos requisitos e falhas dos produtos da Microsoft. “Com isso, o XML será implementado exclusivamente pela Microsoft no futuro.”

Produtos de outras companhias que também competem pesadamente com o Microsoft Office começam a ganhar suporte para o OpenXML. Entre eles estão o Google Apps, o iWork, da Apple, e o OpenOffice, da Novell.

url:http://computerworld.uol.com.br/mercado/2008/01/21/ibm-critica-mas-suporta-formato-open-xml-da-microsoft/

Eduardo Freire
Administrador/Project Manager
MBA em Gerencia de Projetos – FGV (Cursando)
Microsoft Student Partner | MSP
Membro do User Group OfficeCE

Falando sobre Coisas que quase ninguém sabe sobre a Microsoft

 

Citação

Coisas que quase ninguém sabe sobre a Microsoft

A Microsoft, já há muitos anos, é vista por muitos como a verdadeira encarnação do demo. O anti-cristo em pessoa (jurídica). Porém a grande maioria das pessoas que defendem esta visão apocaliptica não conhecem alguns detalhes a respeito do que a empresa oferece, do que ela faz e de seus produtos.

Então a questão é: se você deseja falar bem ou mal, não interessa, mas faça isso sabendo o que está falando. Portanto, segue abaixo uma pequena lista. Se descobrir que desconhece a grande maioria dos fatos, é bom repensar um bom número de conceitos.

Vamos ao estilo "Você Sabia ?":

1) Que governos tem direito de acesso ao código fonte do Windows para garantir sua soberania nacional?
Veja em http://www.microsoft.com/resources/sharedsource/default.mspx
e http://www.microsoft.com/resources/sharedsource/Licensing/GSP.mspx

2) Que empresas particulares podem ter o direito de acesso ao código fonte do windows na forma de consulta para o desenvolvimento de drivers e outros recursos que necessitem de alta integração com o sistema, em alguns casos de forma paga, em outros de forma totalmente gratuita?

Veja em http://www.microsoft.com/resources/sharedsource/Licensing/Enterprise.mspx e http://www.microsoft.com/resources/sharedsource/Licensing/OEM.mspx e http://www.microsoft.com/resources/sharedsource/Licensing/SystemsIntegrator.mspx

3) Que o código fonte do kernel do Windows não apenas está disponível para uso em sala de aula, mas foi organizado de forma didática para a realização de experiências?

Veja em http://www.microsoft.com/resources/sharedsource/Licensing/WindowsAcademic.mspx

4) Que o Windows CE não é apenas um Windows para dispositivos móveis, mas possui uma ferramenta (Platform Builder) que permite que se monte um novo sistema operacional a partir da escolha de milhares de peças que formam o Windows CE, desta forma criando sistemas operacionais específicos para determinados hardwares (sistemas embarcados) sem o excesso de funcionalidades? Além disso o custo de licença da unidade do sistema operacional é
adaptado a partir das partes escolhidas pelo desenvolvedor, podendo ficar um valor a partir de aproximadamente US$ 10,00 a unidade?

Veja em http://msdn2.microsoft.com/en-us/embedded/aa731407.aspx e http://msdn2.microsoft.com/en-us/library/aa448756.aspx

5) Que as urnas eletrônicas brasileiras foram criadas com base no Windows CE embarcado conforme a tecnologia citada no item 4?

http://www.unisys.com.br/news/imprensa/release99.htm
"A Unisys e a Diebold Procomp, fabricantes de urnas eletrônicas de São Paulo, tinham planos de exportar a tecnologia para os países vizinhos. Em vez de emprestar algumas poucas urnas para fazer propaganda, o governo Lula decidiu bancar as eleições alheias. Só para o Paraguai foram emprestadas 15.000 urnas para as eleições de 2005 e 2006. A empresa Vesta, de São Paulo, deixou de vender softwares de compras públicas on-line para a Bolívia porque Lula, em seu primeiro ano no poder, resolveu oferecer ao país, de graça, um programa com a mesma função. "O governo federal não só reinventou a roda com o software livre à custa do contribuinte, como prejudicou a competição no mercado de tecnologia", diz Paula Santos, sócia da Vesta. É a política do software livre contra o livre
mercado. "

http://veja.abril.uol.com.br/170506/p_068.html

"O governo brasileiro e os partidos políticos brasileiros, por exemplo, realizaram auditoria do código de 50 mil urnas eletrônicas baseadas no sistema operacional Windows CE"
Emilio Umeoka, Presidente da Microsoft Brasil
http://www.camara-e.net/newsletter/2004/newsletter02marco04.html

A desinformação me dá nojo, especialmente quando encontro, tendo como fonte uma universidade, um artigo como este :
http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?pid=S0009-67252002000200012&script=sci_arttext

6) Que qualquer curso de nível técnico ou superior com matérias de informática pode realizar um contrato chamado MSDN AA (US$ 499,00/ano, menos de R$ 1.000,00/ano), através do qual a instituição de ensino ganha o direito de usar os softwares Microsoft (exceto MS Office) em qualquer quantidade nos seus laboratórios, distribuir cópias oficiais em qualquer quantidade para os professores e distribuir cópias oficiais em qualquer quantidade para seus alunos? Muitas universidades nacionais possuem esse contrato, mas infelizmente não divulgam aos alunos e não são organizadas o suficiente para distribuirem os softwares.
Se as universidades tivessem aderido em massa a este contrato na época em que o país foi ameaçado devido ao seu volume de pirataria o problema teria sido facilmente sanado.

Veja mais em http://www.microsoft.com/brasil/educacao/comunidadeacademica/msdnaa/default.mspx. Conheça a lista de universidades que possuem o contrato em http://www.msdnaa.net/search/SchoolSearchIntl.aspx

7) Que a Microsoft mantém um repositório curricular no qual existem inúmeros programas de curriculo acadêmico fornecidos como sugestão para uso em sala de aula e podendo ser livremente adaptados?

Veja em http://www.academicresourcecenter.net/curriculum/browse/default.aspx

8) Que a Microsoft mantém o Faculty Connection, algo como uma comunidade voltada ao meio acadêmico e que fornece ao professor o Visual Studio 2005 Professional gratuitamente (isso, claro, se a instituição já não possuir o MSDN AA)?

Veja em http://www.microsoft.com/Education/FacultyConnection/BR/Default.aspx?c1=pt-br&c2=BR

9) Que a Microsoft mantém no Brasil um projeto chamado Aluno Monitor, que permite a inúmeros estudantes de todo o país se dedicarem ao estudo da
tecnologia e terem uma grande oportunidade na vida?

Veja em http://www.microsoft.com/brasil/educacao/parceiro/aluno_monitor.mspx

10) Que a Microsoft tem realizado o projeto S2B – Student To Bussiness – anteriormente denominado ProForm – uma preparação de estudantes para o
mercado de trabalho que encontra-se extremamente carente de mão de obra? Tudo sem custo algum para o estudante.

Veja em http://proform.msdnbrasil.tempsite.ws/

11) Que o MS Ajax Toolkit, um conjunto de componentes gratuitos para o desenvolvimento web, foi criado com a participação da comunidade – convidada a sugerir e produzir os componentes do Ajax Toolkit, mantendo-os com código fonte aberto e hospedados no CodePlex?

Veja em http://www.codeplex.com/AtlasControlToolkit/Release/ProjectReleases.aspx?ReleaseId=4941

12) Que o MS Ajax tem seu código fonte aberto?

Veja em http://www.microsoft.com/downloads/details.aspx?FamilyID=ef2c1acc-051a-4fe6-ad72-f3bed8623b43&DisplayLang=en

13) Que a Microsoft abriu o código fonte de inúmeras bibliotecas do framework .NET 3.5?

Veja em http://weblogs.asp.net/scottgu/archive/2007/10/03/releasing-the-source-code-for-the-net-framework-libraries.aspx

14) Que a Microsoft criou uma divisão – Patterns & Practices – apenas para pesquisar as melhores formas de realizar desenvolvimento de software com o framework .NET e que esta divisão constantemente disponibiliza código fonte, white papers e manuais que podem ser todos livremente utilizados pelos desenvolvedores?

Veja em http://msdn2.microsoft.com/pt-br/practices/default.aspx

15) Que as licenças de código fonte aberto da Microsoft permitem que você manipule o código fonte à vontade, gerando novos produtos de código fonte fechado e proprietário se assim desejar, ao contrário da licença GPL que foi aplicada, por exemplo, nos drivers do banco MySQL, obrigando a todos que usam MySQL a pagar pela licença ou abrir o fonte de suas aplicações na internet?

16) Que a Microsoft possui versões gratuitas (chamadas de express) de seus atuais produtos de desenvolvimento, sem restrição a uso comercial e incluindo o SQL Server com suporte a bancos de até 4 GB?

Vejam em http://msdn2.microsoft.com/pt-br/express/default.aspx e http://www.microsoft.com/sql/editions/express/default.mspx

17) Que a Microsoft possui sua própria licença de código fonte aberto aprovada oficialmente pelo OSI Board, sendo que a Microsoft seguiu todos os processos  padrões de aprovação, não recebendo nenhum tratamento especial, e que essa licença irá auxiliar muito no processo de interoperabilidade com o Suse,  interoperabilidade esta que irá crescer consideravelmente?

Veja em http://opensource.org/licenses/ms-pl.html e http://opensource.org/licenses/ms-rl.html

18) Que a Microsoft mantém um portal, Porta25, com o objetivo de debater questões de interoperabilidade com outros ambientes?

Veja em http://porta25.technetbrasil.com.br/porta25/

19) Que a Microsoft possui um sistema de eventos on-line – webCasts – gratuito, com inúmeros eventos ocorrendo a cada semana e de alto nível técnico,  permitindo um estudo aprofundado da plataforma sem nem ao menos sair de casa?

Veja em http://www.microsoft.com/brasil/msdn/eventos/eventos.mspx e http://www.microsoft.com/brasil/technet/eventos/webcasts/default.mspx

20) Que a Microsoft fornece grande apoio a eventos realizados pela comunidade de profissionais Microsoft, permitindo até mesmo o registro e divulgação dos eventos no site da própria Microsoft?

Veja em http://www.microsoft.com/brasil/msdn/eventos/EventosPresenciais.mspx

Então, concluindo: Se querem falar bem ou mal, é com vocês, mas falem com conhecimento de causa.

Fonte: http://www.meiobit.com/artigo/coisas_que_quase_ningu_m_sabe_sobre_microsoft